segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Só te peço um favor...

Se me observares com alguma ternura.
Acredita: sou impulso de coração solitário.
Perdido por vezes; outras nem tanto, fissura
são sempre as sombras. Preenchem o imaginário…

De pirilampos de todas as cores, formosura!
Este sonho; cativo ao descair do dia. Rosário:
De contas luzentes. Nem a noite escura
impede a ambição do crer involuntário.

Só te peço um favor… não tenhas pressas.
Deixa que o rio corra, as águas purificam
o meu rosto cansado. Se chorar não rias.

As lágrimas são cascatas nas noites frias.
Ainda que os olhos quase sempre esqueçam:
Que o coração se acomoda em nostalgias.





Ser poeta é utopia...

Não sei, nem sequer sei a cor dos dias frios!   Se o céu é azul ou cinzento afogueado.    Nada sei de  efémeras  fantasias.  Delírio...