quarta-feira, 28 de maio de 2014

Contigo...

Contigo perdi os sonhos e a capacidade de inventar
Até deixei para trás a vontade de explorar
Num amor aos tropeções embrenhei-me no chorar
Perdi tudo Deus meu.

Culpa da visão pessimista que se solta do olhar
Nos teus olhos cor de mel a tormenta
Diz-me. Qual a minha culpa na tua história
Se num antes se perde a memória

Contigo perdi tudo
O que me resta afinal
Amor absoluto
Em liberdade condicional

E a culpa de quem é, minha, talvez tua
Pobre idiota, se julga comandar
Ventania na campina

Ou então o despertar.