domingo, 25 de maio de 2014

Recomeço...

 Transporto nas mãos abertas uma ânsia fria
Nas pontas dos dedos vazio pardacento
Na boca o travo do beijo em fantasia
Nos olhos vaticínio, breve nascimento.

Assim dou por mim deambulando ousadia
Quimera auspiciosa sempre em movimento
Não importa se anoiteceu ou raiou alegria
Os fantasmas são tantos, ignoro o cinzento,

Que pesa na saudade, de tudo e de nada
Quero lá saber … é carta fechada
Quero lá saber… olho e desconheço.

A frieza do espelho, impávida feição
Que me diz incrédula em contra-mão
Porque te móis tanto? Olha o recomeço…






Mulher atrevida...

Mulher atrevida… Não sei se é sonho ou se é esperança .   É um sentir agreste, uma força viva .   Até quando dorme pode  ser crian...