domingo, 11 de maio de 2014

Sem alarde...

Se viesse o meu amor por entre a tarde
E trouxesse nas mãos um sonho antigo
Eu juro, ficaria quieta, sem alarde
Não saísse o encanto pelo postigo

É que o tempo das cerejas é covarde
Ao meu peito trás a sombra em castigo
Assim que o coração se aventura e arde
Num terreiro em que busca um abrigo

Mas quem sabe troque as voltas em viés
Às trevas que circundam de antemão
E trespasse esta sina de lés a lés

E o tempo das cerejas então zele
Em cofre rubro o meu gasto coração.
Para que então nas cerejas o meu mel…


Ser poeta é utopia...

Não sei, nem sequer sei a cor dos dias frios!   Se o céu é azul ou cinzento afogueado.    Nada sei de  efémeras  fantasias.  Delírio...