quarta-feira, 15 de abril de 2015

Jardineiros de sonhos...

Germinam palavras por recriar,
de amor, ternura, paixão,
em todos os momentos inacabados do dia!
Pode ser deste céu de um cinza tão escuro.
Pode ser de mim, difícil acreditar.
Por outro lado os sonhos são infernais;
barulhentos como vendavais.
Podiam ser só sonhos; mas são muito mais.
São a fonte dos receios e dos desejos!
Quem sabe não preveja o azul do céu.
Ou então… o azul seja tão azul,
que o cinzento de hoje, seja por acaso.
E aí… quando acontecer o ocaso,
recrie finalmente afeição.
Se isso acontecer, como adiar a esperança?
E o imaginário… Voltará a correr
para os braços do impossível!
E assim germinam flores de todas as cores,
e de aromas silvestres.
E assim germinam os sonhos de amor!
Ou não fossem os poetas laboriosos,
que numa loucura sadia são jardineiros
Em prado de fantasia.

Imagem via Google.

Os sonhos chegam nas trindades…

Em qualquer canto ouço a voz dos dias!... Traz ao de cima as fantasias. Mas qualquer canto ensurdece o vento. Mesmo que o intento po...