sábado, 11 de abril de 2015

Logo Mais...

Por entre as gentes encontro maneira
de estar contigo.
Por entre as esquinas das velhinhas ruas,
vislumbro a saudade que presenteia,
um rosto amigo.

E as pedras já gastas; do austero castelo,
falam de um tempo lá atrás distante.
Onde em brincadeiras se jogava ao eixo,
se desenhava na terra o jogo da macaca.
E a criançada munida de fisgas,
atazanava a vida da passarada.

Por entre as gentes sou apenas eu,
tal como tu, destino comum!
E logo mais, um poema nasceu,
Ao olhar a lua, mas que trinta e um!


Ser poeta é utopia...

Não sei, nem sequer sei a cor dos dias frios!   Se o céu é azul ou cinzento afogueado.    Nada sei de  efémeras  fantasias.  Delírio...