domingo, 17 de julho de 2011

As asas dos pombos

As asas dos pombos

Preciso de um sorriso que o dia entenda
Como seria se os pombos não me velassem
A praça vazia de gente recorda-me o frio
E se os pombos não me tapassem
A falta constante em que a mente entra
Sempre que a praça é despojada
Se ao menos a sombra mostrasse
As sombras tingidas pela resignação
Se ao menos o caderno amarrotado
Não me amarfanhasse o coração

Abasteço-me de vazios cinzentos
Nas asas dos pombos que me aconchegam
Repara os seus olhos são vidrados
São vidros quebrados p`los fantasmas
Que povoam a praça e sempre me amparam
Na falta de um sorriso que uma mão estenda
Demando esquecida nas asas dos pombos
Sabes, tenho fome de sorrisos que não tragam contenda

Ser poeta é utopia...

Não sei, nem sequer sei a cor dos dias frios!   Se o céu é azul ou cinzento afogueado.    Nada sei de  efémeras  fantasias.  Delírio...