sábado, 16 de julho de 2011

Terra batida

Esta terra batida que separa o âmago
Sinto que o eixo se corrói na distância
Nos olhares denoto alguma pertinência
E o amor é corcel rodando no centro

Os espaços em branco denotam saudade
 Manifestação constante à qual sou alheia
Que será da vida se estiver meio cheia
E o crer que será se lhe faltar a verdade

Ó deus dá-me o leito de um rio profundo
Dá-me as pedras redondas que torneiam o fundo
Também me podes dar alguns peixes cinzentos

Quero colori-los e brincar com eles
Quero emprestar à saudade afinco
Porque a terra batida há muito não sinto