segunda-feira, 18 de julho de 2011

Bravia

Bravia…

Sabes porque me pesa o indeciso
De um pensamento
Que juro não ter
Quase sempre é conciso
Que insisto em não ver

Sabes porque te sei
Os caminhos paralelos
Na meninice encontrei

Mas a vida é matreira
O Alentejo é enorme
Portugal é ribeira
Por onde a poesia morre

Sabes porque me pesa o indeciso
Então segreda-me a meia luz
Diz-me que o país avança
Que a canga lhe foge e a cruz
Sabes
Sinto uma falta crescente
De me sentar à mesa
De ter uma franca conversa
Dos velhos
Do vermelho e do verde
Sabes
Estou tão distante dos passos
Que te adivinho um dia
Desbravando análogos
De uma saudade bravia